Professor fora da sala de aula

Professor fora da sala de aula

Wilson Aquino

Quando um professor é contratado para trabalhar na rede estadual de educação, o mínimo que se pode esperar é que ele frequente a escola. Entretanto, levantamento de ISTOÉ em 19 Estados e no Distrito Federal constatou que 6.538 professores concursados estão alocados em gabinetes de políticos, de membros do Judiciário e em órgãos públicos – outros milhares ocupam funções burocráticas na própria escola. O número corresponde a 20% da carência do magistério nacional, que é de 32 mil docentes, segundo auditoria do Tribunal de Contas da União (TCU). A cessão de professores é rotina em todos os Estados, sendo que Pernambuco é o recordista: 1.236 cessões, ou 5% do total da rede, que é de 25.874 docentes.

Prejuízo

O Brasil tem uma carência de 32 mil professores

São os próprios governos que não impõem limites à realocação de professores. Para contratar um docente, basta o órgão solicitante repassar às secretarias de educação o salário do profissional. A exceção poderia ser o Rio de Janeiro, onde a Constituição do Estado proíbe os membros do magistério público de se afastar da regência de turmas. Mas somente para a Assembleia Legislativa do Rio (Alerj) o número de professores cedidos é de 115, contingente capaz de suprir duas escolas com 1.500 alunos cada. O total de docentes fluminenses cedidos é exatamente igual ao do déficit da rede, 800.

Para Priscila Cruz, diretora-executiva do Todos pela Educação, os dados mostram a desvalorização da categoria. “O professor é a principal garantia da qualidade do ensino”, afirma. O deputado fluminense Comte Bittencourt (PPS), “que tem sete ou oito professores” no gabinete, admite que, em tese, todos os cedidos estão em situação irregular. “Mas é o governo quem cede. E para os professores é uma forma de aumentar a remuneração”, justifica o deputado, que preside a Comissão de Educação da Alerj há 12 anos. A secretária de Educação da Paraíba, Márcia Lucena, que tem 249 professores cedidos para outros órgãos, explica que muitos estão há tanto tempo sem lecionar que nem vale a pena trazê-los de volta. “Quem está há 20 anos fora da sala de aula não consegue se relacionar com a juventude de hoje”, justifica.

Fonte: Revista Isto É