Pedagogo dá importantes orientações sobre a escolha da escola para os filhos

Pedagogo dá importantes orientações sobre a escolha da escola para os filhos

Davison Coutinho

Em conversa com o JB, o pedagogo Audir Bastos Filho fala sobre os caminhos ideias para escolha da escola para seu filho. As dicas são importantes neste momento de volta às aulas. Confira:

Como escolher a escola ideal?

A primeira opção dos pais, hoje em dia, está centrada na proximidade casa x escola. Em nossa opinião, não se escolhe casa de educação por proximidade e, sim por trabalho e qualidade. Seja em que ponto for – norte, sul, leste, oeste, em cima, embaixo das comunidades quaisquer – o que importa é o foco na criança e na educação da família. O que a criança merece e a família espera. As visitas devem sempre ser inesperadas, nunca em festividades, o que acarreta em uma maquiagem pré-feita. O mais importante é o dia a dia e a formação dos profissionais, que na maioria das vezes os pais esquecem de perguntar: qual a formação profissional dos profissionais que irão lidar com meu filho ou filha? Atenção: a escola não é escolinha, é escola. Casa de educação, repetimos.

O que olhar?

Os primeiros olhares devem ser focados em creches e a proximidade dos funcionários, a primeira acolhida, a conversa com a coordenação, o numero de anos dos funcionários nos estabelecimentos, e a direção. Claro que, guardando as devidas proporções, todos querem agradar. Muita atenção. Um primeiro namoro pode ocasionar um casamento ou não. Observar, ver e perguntar é o principal.

Qual a filosofia de atuação da escola?

Outro ponto importante é saber sobre a filosofia da escola e um saber mais aprofundado sobre o projeto pedagógico da escola e atividades dentro de um planejamento pensado, criativo e atual. Hoje, estamos diante da falta de folclore, de histórias, de músicas reais e não paródias mal feitas e ridículas que levam as crianças, desde cedo, a usarem o emblema da geração – os tabletes e afins. A criança ainda precisa virar livros, apertar e construir, colorir, pintar com as mãos e outros instrumentais. Muita atenção é mais do que necessário, é uma obrigação.

Festividades?

As comemorações devem ser olhadas e focadas. Criança vai para escola com uma finalidade, e ela é a principal construtora e transformadora. O que se assiste ainda é a famigerada festinha promocional. Um verdadeiro absurdo. A criança deve produzir tudo. Desde cenários, fantasias e até os lanches que as famílias levam até para casa. O importante é a educação. Os brilhos, quem dará? A criança, é claro. Os egos inflados fazem muitas vezes com que o curso da história daquele ser em formação se mude e nunca mais apareça em arte, em estética, em ética principalmente. Antigamente havia até a compra de votos para a rainha da festa junina. Será que se esquecem disso? É necessário muita memória. Sem falar em desenhos prontos para colorir e, capas de prova com a famigerada pata do risco de bordado da vovó. Casa é casa, escola é escola. O ideal é o casamento dos dois.

Quais outros pontos importantes?

Outro ponto a ser focado é que escola pode e deve ter atividades de corpo, artes plásticas com acuidades desenvolvidas e pesquisadas, mas escola de dança tem seus lugares e artes marciais têm suas escolas, a natação tem que ser apropriadíssima. Assim sendo, pudemos colocar alguns pontinhos que reputamos como sinais da escola que pode dar certo.

Fonte: Jornal do Brasil