Paula Souza diz que ocupação terá reflexos no Interior

Paula Souza diz que ocupação terá reflexos no Interior

Raquel Valli

O Centro Paula Souza informou nesta terça-feira que a ocupação da unidade central na Capital, onde funciona a administração de 300 escolas técnicas do Estado de São Paulo, terá reflexos em todas as suas unidades, inclusive na de Campinas. Parte da documentação dos alunos é despachada da sede. Isso inclui certificados de conclusão de curso e emissão de diplomas. Da unidade central também saem os processos seletivos do segundo semestre para ingresso na rede. Da Capital ainda dependem as principais atividades pedagógicas e administrativas da autarquia.

Devido à impossibilidade dos funcionários trabalharem, estão suspensas as atividades administrativas de 219 Etecs e de 66 Faculdades de Tecnologia (Fatecs) onde estudam 285 mil alunos.

Nesta terça, funcionários foram impedidos de entrar no prédio. A instituição aguarda uma data para uma audiência de conciliação com os alunos na Justiça. Pela manhã, os estudantes não quiseram dialogar com o vice-governador e secretário de Desenvolvimento Econômico, Ciência, Tecnologia e Inovação, Márcio França, que se propôs a receber uma comissão. Estudantes ocuparam o prédio na quinta-feira em protesto contra os desvios de recursos públicos na compra de merenda e contra os cortes nas verbas para a Educação. No domingo, a Justiça determinou a reintegração de posse para que os funcionários pudessem voltar a trabalhar.

A liminar foi expedida pela 14ª Vara da Fazenda Pública. Na segunda, a Polícia Militar entrou no prédio para cumpri-la. A ação foi acompanhada pelo secretário da Segurança Pública de São Paulo, Alexandre de Moraes. Mas, a PM entrou no edifício antes que o os alunos fossem notificados pelo oficial de Justiça. Por isso, a liminar foi suspensa e a Secretaria de Segurança Pública terá até amanhã à tarde para se explicar à Justiça. Em nota, o Centro Paula Souza informou que 100% das Etecs oferecem alimentação escolar. Já a Secretaria de Segurança informou que “a PM ingressou no Centro Paula Souza para acompanhar e garantir a segurança dos funcionários e professores que chegaram para trabalhar no prédio administrativo, que não estava invadido”.

Fonte: Correio Popular