País mira padrão OCDE de ensino em 2021

País mira padrão OCDE de ensino em 2021

Aline Oyamada

A principal meta do Brasil na área do ensino é chegar em 2021 com um padrão educacional parecido com o da média dos países da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), afirmou Ricardo Paes de Barros, subsecretário de Assuntos Estratégicos da Presidência da República.

Segundo ele, o Brasil deu três passos importantes nesse sentido, estabelecendo metas para a educação, montando um sistema de monitoramento que permite acompanhar essas metas e investindo mais recursos. Mas falta ainda melhorar a governança desse sistema.

“O grande problema é que o Brasil está correndo o risco de não cumprir essas metas. Se não cumprir, o que será feito?”, questionou Barros, durante o Fórum Exame 2014, realizado ontem em São Paulo.

O subsecretário também afirmou que falta padronizar a qualidade do ensino nas escolas brasileiras, onde ainda há muita desigualdade. “Por que nós padronizamos todas as agências da Caixa [Econômica Federal] em todo o Brasil e não padronizamos as escolas?”, disse. Esse nivelamento, explica ele, deve vir por meio da equalização do gasto por aluno, o que exige um aumento dos gastos públicos como um todo.

Maria Alice Setúbal, socióloga e presidente da Fundação Tide Setúbal, que também participou do evento, chamou atenção para a necessidade de se combater a desigualdade educacional. “Se não superarmos isso, não conseguiremos ter educação de qualidade”, afirmou. “Não é possível continuar com essa enorme defasagem.”

Maria Helena Guimarães Castro, diretora da Fundação Seade, concorda e destaca que é preciso melhorar a coordenação das políticas entre os três níveis do governo: federal, estadual e municipal.

Fonte: Valor Econômico