O papel das universidades

O papel das universidades

Marco Túlio Carvalho (*)

Segundo o relatório do IBGE “Todos pela Educação”, em 2012, apenas 51,85 dos jovens de até 19 anos haviam concluído os anos finais da educação básica brasileira. Só no ensino superior, o Brasil perdeu R$9 bilhões com a evasão que, em 2013, teve a marca de 7,3 milhões de matrículas nos cursos de graduação.

Números esses que revelam evasão preocupante, mostra que políticas de educação adequadas preparariam mais jovens para ingressar nas universidades, seja pelo processo seletivo tradicional, pela inclusão como Enem, Prouni, Sisu e cotas. Mas, infelizmente muitos ficarão fora dos bancos das universidades. Eles fazem parte de uma estatística assustadora. Realidade que assusta pela complexidade e nos preocupa principalmente porque sabemos que as universidades têm um papel importante na formação profissional e exercem uma importante função social. Sabemos que a transformação de um país passa também pela educação.

É sabido que o comprometido com o desenvolvimento acadêmico, com a qualidade do ensino prepara alunos capazes de chegar mais familiarizados ao mundo corporativo. O desenvolvimento de competências comportamentais e o fomento às práticas formativas e atividades extensionistas são também fundamentais para um percurso formativo qualificado capaz de atender às demandas do mundo do trabalho.

Instituições sérias de ensino como o Centro Universitário Una que tem tradição, principalmente, em cursos de gestão acompanham as mudanças tecnológicas, industriais, financeiras, comunicacionais e econômicas do mundo, incorporando-as cada vez mais ao ambiente acadêmico por meio de iniciativas e práticas pedagógicas que colocam o aluno no centro das atividades e em contato com o setor produtivo.

Elas são compostas de professores, mestres e doutores bem preparados e atentos para que a assimilação e aprendizagem de conteúdos por parte de seus alunos, futuros profissionais não se tornem ultrapassadas. São instituições que conhecem as dificuldades dos jovens de ter de escolher cedo o que serão pelo resto da vida.

É preciso uma política de governo focada no combate à evasão, é preciso mais apoio financeiro e preparo intelectual para que nossos jovens façam parte de uma geração de profissionais que contribuirá para as mudanças sociais, polícias e econômicas do Brasil.

Além disso, não é segredo para ninguém que as universidades também contribuem para a formação humana de forma ampla e múltipla, seja pelo eixo das pesquisas, realizações de trabalhos que despertam no estudante a autonomia intelectual, seja pelo eixo de inserir o aluno na sociedade contemporânea, seja pela ética, pela consciência moral, pelo contato com a realidade social, pela comunicação e expressão.

O ensino superior pode proporcionar o desenvolvimento integral, seja como indivíduo, como cidadão e como profissional e pode significar uma janela para um mundo de oportunidades.

Fonte: Hoje em Dia