MPE apura situação de escolas

MPE apura situação de escolas

JOÃO CONRADO KNEIPP CAMPINAS

O MPE (Ministério Público Estadual) abriu um inquérito para investigar denúncia de falta de professores, profissionais de apoio e as condições estruturais das escolas de tempo integral implantadas pela Prefeitura de Campinas. Os problemas foram apontados pelo STMC (Sindicato dos Trabalhadores Municipais de Campinas) e parte deles foi constatada pelo TODODIA em reportagens publicadas em abril e setembro. As unidades foram apontadas como modelo de escolas pelo prefeito Jonas Donizette (PSB), que chegou a utilizar as unidades em peças publicitárias.

A denúncia também cita que alunos não tinham aulas complementares como dança, artes e esportes e que, por isso, eram liberados mais cedo do que nos horários previstos.

Também será investigado se as cinco escolas de tempo integral – Caic (Centro de Atenção Integral à Criança) Zeferino Vaz e Emefs (Escola Municipal de Ensino Fundamental) Padre Silva, João Alves dos Santos, Avelino Canazza e Raul Pila – estão com as salas de aulas superlotadas, falta de laboratórios e salas de vídeo e artes, e falta de materiais escolar e uniforme para os alunos.

O inquérito civil público foi aberto no final do mês de novembro pelo promotor da Vara da Infância e Juventude de Campinas, Rodrigo Augusto de Oliveira. “O STMC contrapõe a propaganda de Jonas com a realidade que es escolas estão enfrentando, que não é aquela que é veiculada na mídia. Esperamos que esses problemas apresentados sejam sanados e que profissionais tenham condições adequadas de trabalho e educação de qualidade”, afirmou a diretora sindical Deise Alves.

A prefeitura informou que não comentaria o caso porque ainda não foi notificada.

Fonte: Todo Dia