MEC pode adiar Enem em 181 escolas ocupadas por estudantes

MEC pode adiar Enem em 181 escolas ocupadas por estudantes

BRASÍLIA- O Ministério da Educação (MEC) pode adiar o Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) nos locais de aplicação da prova que estão ocupados por estudantes. O ministro Mendonça Filho afirmou ontem que a pasta vai aguardar que os alunos desocupem as escolas até o dia 31 deste mês. Se isso não ocorrer, a prova será cancelada e os candidatos prejudicados farão o exame em outra data.

Segundo o MEC, dos 16.476 locais de prova em todo o país, 181 estão ocupados. Isso ocorre em 82 municípios de 11 estados. A estimativa é de que cerca de 95 mil estudantes farão a prova nessas escolas nos dias 5 e 6 de novembro. A maior parte das instituições ocupadas está no Paraná, que enfrenta uma greve de professores. De acordo com o Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), 145 escolas paranaenses que são locais de prova estão ocupadas

Nos outros estados o quadro segue com 12 ocupações no Rio Grande do Norte, seis em Minas Gerais, cinco no Rio Grande do Sul. Já o Distrito Federal e o Rio de Janeiro têm três locais de prova ocupados, Alagoas e Bahia têm dois, e Pernambuco, Pará e Tocantins têm um ponto afetado cada.

— Eu apelo aos estudantes para que deixem os outros fazerem o Enem. Eu peço que esses estudantes se retirem até o dia 31 de outubro. Se não tiverem saído, vamos cancelar o Enem nessas escolas. O que o MEC está fazendo de concreto é apelar ao bom senso — disse Mendonça.

A nova data para a realização da prova ainda não foi definido, mas vai ocorrer antes da abertura das inscrições para o Sistema de Seleção Unificada (Sisu), principal forma de seleção dos estudantes para universidades públicas. Grande parte das ocupações de escolas foram motivadas pela Medida Provisória da reforma do ensino médio, editada pelo governo federal no mês de setembro. Os estudantes reivindicam que a proposta de transformação da etapa seja discutida em conjunto com a sociedade e não por meio de uma MP. Os jovens também se manifestam contra a Proposta de Emenda Constitucional (PEC) 241, que estabelece teto para os gastos públicos.

— O protesto não pode impedir um colega de se submeter à prova — afirmou o ministro.

De acordo com o MEC, são elaborados relatórios diários com a situação de cada escola onde haverá Enem para garantir a realização da prova. O ministro Mendonça Filho afirmou que caso seja necessária a realização de novo exame para os alunos afetados pelas ocupações, os envolvidos no movimento poderão ser responsabilizados pelo prejuízo.

— Os principais prejudicados são os milhares de jovens que além da angústia natural à véspera do Enem ficam à mercê de uma situação que pode tirá-los do exame na data prevista — disse Mendonça Filho, acrescentando que o caso será acompanhado pela Advocacia Geral da União, que avaliará como proceder caso as ocupações impeçam estudantes de fazerem o Enem.

Pela primeira vez, o Exame vai coletar dados biométricos dos participantes antes do início das provas. O procedimento vai ser acompanhado pela Polícia Federal e será usado para certificar que a pessoa inscrita é a que está de fato fazendo a prova. CARTÕES DE CONFIRMAÇÃO Os cartões de confirmação de inscrição com o local de prova também foram divulgados ontem pelo Inep. O sistema de consulta ao cartão está disponível na página do Enem na internet. no endereço http:// enem.inep.gov.br/participante.

Além do local de prova, o cartão contém o número de inscrição; a data e hora das provas; opção de língua estrangeira; solicitação de certificação do ensino médio, se for o caso; além da indicação do atendimento especializado, se houver sido solicitado pelo participante. Segundo o Inep, 68.907 atendimentos especializados foram autorizados pelo órgão no Exame de 2016. O Ministério da Educação também enviará e-mail aos inscritos. Assim como no ano passado, o cartão não será enviado pelos Correios e caberá ao estudante acessá-lo pela internet. (*) Estagiário sob supervisão de Francisco Leali

Fonte: O Globo