Inscrição no Fies vira tormento

Inscrição no Fies vira tormento

Haja paciência para quem pretende se candidatar ao Fundo de Financiamento Estudantil (Fies) e realizar o sonho de cursar a universidade. O site onde deveriam ser feitas as inscrições simplesmente travou, sem que o Ministério da Educação (MEC) resolva ou, pelo menos, se disponha a dar explicações convincentes.

Aberto na segunda-feira, o portal não vem aceitando o cadastro ou a renovação de contratos no Fies. Estudantes se queixam de instabilidades na página virtual, de erros e de panes que a deixam fora do ar por horas. Responsável pelo site, o Fundo Nacional de Desenvolvimento da Educação (FNDE), ligado ao MEC, inicialmente garantiu que não há problemas técnicos. Ontem, a assessoria do órgão informou que está ocorrendo uma sobrecarga no sistema. O prazo de inscrições vai até 30 de abril.

Candidatos criaram página no facebook

Irritados com as falhas, que se repetem desde o primeiro dia, alunos recorreram às redes sociais para protestar. No Facebook, criaram a página Movimento em Defesa do Fies. Uma das postagens relata o desespero de quem não consegue se cadastrar: “Você não consegue passar por nenhuma etapa porque dá erro em tudo e não tem como fazer a inscrição”.

Os estudantes apelaram ao deputado Floriano Pesaro (PSDB- SP), que se considera o criador do Fies. Na quarta, Pesaro enviou um ofício ao ministro da Educação, Cid Gomes, cobrando soluções. Pesaro tem apoio do colega gaúcho Nelson Marchezan Jr. (PSDB).

– Os estudantes gaúchos são importantes porque representam 23,5% dos financiamentos concedidos – diz Pesaro.

Universidades também estão descontentes. Ontem, o Sindicato do Ensino Privado do Rio Grande do Sul (Sinepe/RS) entrou com ação na Justiça Federal pedindo a suspensão das alterações na lei do Fies. Uma delas exige nota de corte de 450 pontos para habilitar ao financiamento. Para o presidente da entidade, Bruno Eizerik, o critério prejudica os candidatos.

– Essa medida seria justa se a escola pública entregasse um ensino de qualidade para nossos jovens na educação básica – diz Eizerik

Fonte: Zero Hora