Índice mostra o que dá certo e o que falta nas escolas do Brasil

Índice mostra o que dá certo e o que falta nas escolas do Brasil

Um índice lançado, nesta quarta-feira (7), em São Paulo mostra o que está dando certo e o que está faltando nas nossas escolas. O Índice de Oportunidades da Educação Brasileira engloba toda a educação básica – da infantil ao ensino médio.

Alunos interessados, pais participativos e professores bem capacitados. Em uma escola estadual na Zona Sul de São Paulo, é assim.

“Os professores são maravilhosos, gestão, diretoria, não tenho reclamação nenhuma, só elogios”, disse Adriana Szumski Bassi, mãe de aluna.

Aprender lá é uma prioridade, até pra quem não dispensa uma brincadeira. “Eu adoro lição. Mais do que brincar no intervalo”, contou Jennifer Szumski Bassi, de 7 anos.

Todos os professores são formados em pedagogia. “Esse professor com formação superior, ele também não se contenta só com a graduação. O tempo todo ele está atrás de especialização, atrás e aperfeiçoamento. É um professor que não para no tempo. Isso faz toda a diferença na condição de aprendizagem das crianças”, afirmou Maria Carolina Jeronimo, diretora da escola.

Tudo isso foi levado em conta pelo novo índice da educação. O Índice de Oportunidades da Educação Brasileira é uma soma de vários indicadores, entre eles o tempo médio do aluno em sala de aula, a formação dos professores e a experiência dos diretores. O IOEB não avalia apenas a escola, mas toda a rede de ensino do município, tanto a particular quanto a pública.

São Paulo é a capital com melhor colocação no IOEB, mas ficou atrás de quase 1,4 mil cidades. Três municípios do Ceará aparecem nos primeiros lugares do índice. Sobral já é reconhecida por investir em gestão escolar e num modelo de alfabetização, que hoje é usado como referência no país.

“Nós conseguimos identificar municípios que estão melhores, e aqueles que vão pior. Não só porque tem piores ou melhores alunos, mas de fato as condições ofertadas no município. A ideia é essa: fazer um indicador síntese de todo esse ambiente”, explicou Reynaldo Fernandes, criador do IOEB.

O IOEB é uma iniciativa do Centro de Liderança Pública, com apoio do Instituto Península, da Fundação Lemann e da Fundação Roberto Marinho. No resultado final, numa escala de zero a dez, o Brasil ficou com nota 4,5, o que mostra que ainda há muito o que fazer pela educação.

“Não adianta ter o índice se nós, brasileiros, não usamos esses índices pra poder fazer essa cobrança. Acho que esse é o grande desafio do Brasil hoje”, afirmou Priscila Cruz, diretora da ONG Todos pela Educação.

Fonte: G1