Grupo debate o tema-chave do CCE para 2015, a Valorização da Escola

Grupo debate o tema-chave do CCE para 2015, a Valorização da Escola

A “Valorização da Escola” será o tema principal das atividades de 2015 do Compromisso Campinas pela Educação (CCE), conforme enquete realizada na 5ª Semana da Educação de Campinas, em novembro de 2014. Para discutir os principais eixos do tema-chave que o CCE promoverá ao longo do ano foi constituído um grupo de reflexão, a convite da Fundação FEAC. O grupo se reuniu pela primeira vez no dia 12 de fevereiro e terá outro encontro no dia 26, na FEAC.

O grupo é composto por representantes dos vários segmentos da comunidade escolar: alunos, pais, educadores, gestores e colaboradores da escola, além do poder público e outros setores sociais. As discussões estão sendo mediadas pela psicopedagoga Flávia Vivaldi. Ela é coordenadora pedagógica da Secretaria da Educação da Prefeitura Municipal de Poços de Caldas (MG), articulista da revista “Nova Escola” e professora na Universidade de Franca (Unifran).

No primeiro encontro, dia 12 de fevereiro, os participantes apontaram os grandes desafios contemporâneos para a valorização da escola. “A ideia, neste primeiro encontro, foi problematizar a fala de cada membro do grupo, separar as causas e as consequências colocadas e na próxima reunião buscar as soluções e traçar a escola que queremos”, disse.

Em duas horas de conversa, os representantes de cada segmento da comunidade escolar promoveram um amplo painel sobre a educação brasileira, seus principais desafios, as barreiras, as demandas e questionamentos.

Alguns dos principais desafios levantados no encontro foram: ausência dos pais na vida escolar, a falta de real prioridade para a educação na sociedade brasileira, a eventual falta de interesse dos alunos pelas aulas, a ocorrência de aulas monótonas e nada atrativas, a descontinuidade das políticas públicas no setor educacional, a falta de estrutura para o melhor funcionamento das escolas, o desrespeito com os professores, a fragmentação dos setores públicos envolvidos com a educação, a fragilidade das escolas em perceber seus reais problemas, as dificuldades cotidianas na atribuição de aulas, a falta de controle social e de participação da sociedade em geral na vida na escola, a desigualdade na formação docente, a imaturidade moral, a dificuldade da carreira docente empolgar as novas gerações.

Apesar da imensidão dos desafios apontados, os participantes ficaram entusiasmados com a discussão e com a possibilidade de apontar, no próximo encontro, possíveis ações concretas, pela valorização da escola pública em Campinas.

“Foi uma discussão muito importante, porque os vários segmentos estavam aqui representados e contribuindo para pensar a escola que queremos”, afirmou a secretária municipal da Educação de Campinas, Solange Villon Kohn Pelicer.

A densidade do debate foi igualmente ressaltada pelo professor Arnaldo Valentim, coordenador pedagógico da Escola Estadual “Professor Álvaro Cotomacci”. “Será importante, a partir dessa reflexão, construir um plano de ações factíveis”, pontuou o educador.

Duas alunas da Escola Estadual “Prof. Álvaro Cotomacci” ficaram particularmente atentas à discussão. “É muito bom saber o que está acontecendo de fato nas escolas, para ver o que podemos fazer”, disse Maria Eduarda Gomes Marins. “Existe solução para alguns problemas, mas é preciso saber exatamente o que fazer”, comentou Vanessa Barroso da Silva.

Pai de aluna da Escola Estadual “Norberto de Souza Pinto”, o senhor Carlos Cândido Pereira reiterou a importância da participação da família na vida escolar. “Os pais precisam saber como faz diferença para os filhos participar da vida escolar”, sublinhou.

Coordenador do Instituto Bosch, Otávio Antoniacci Junior destacou a complexidade que envolve a melhoria da qualidade da educação, e daí a relevância de uma conversa com todos os protagonistas da comunidade escolar. “Podemos buscar alternativas para melhorar a vida escolar, começando com ações factíveis”, destacou.

Também estavam presentes representantes das duas Diretorias Regionais da rede estadual de ensino em Campinas. A facilitadora do diálogo, Flávia Vivaldi, também gostou do resultado. “Foi uma tarde muito rica. A partir de todas as opiniões expostas, faremos uma nova discussão sobre quais são as possíveis soluções para os problemas colocados a partir do tema Valorização da Escola”, explicou.

O resultado pretendido, ao término do segundo e último dia de trabalho, é reunir reflexões, informações, ideias e considerações acerca do tema proposto que contribuam para nortear as ações do CCE durante todo o ano de 2015.