Escola usa meditação para equilibrar dia a dia dos alunos

Escola usa meditação para equilibrar dia a dia dos alunos

Exercícios de alongamento, olhos fechados, som ambiente e concentração. É assim que alunos da Escola e Centro de Estudos Ananda, em Itapuã, iniciam as tarefas diárias.

Há 20 anos, durante os 30 primeiros minutos de aula, o silêncio impera nas salas de aula, da educação infantil ao ensino fundamental I e II. A prática inclui reflexão, meditação, conectividade, percepção, vibração, contemplação e exaltação.

A diretora e fundadora da instituição, pioneira na prática meditativa no ambiente escolar na Bahia, Carina Viana Sales, 41, conta que veio de uma família de educadores. “Um tio meu dedicou a vida a uma busca espiritual  e ensinou para a  família a necessidade de  conexão da natureza interna com a externa para sermos pessoas melhores”, diz Carina.

Antes de montar a Ananda, ela diz que atuou em outras escolas de Salvador e verificou que as crianças não tinham  atenção. “Elas estavam perdendo a noção de humanidade, ampliando o senso de egoísmo, de individualidade. Pensamos em como trazer o bom delas, pois o bom está em todo mundo”, explica.

Mãe de uma aluna da escola, a advogada Renata Torres, 41, fala da experiência que teve com a filha depois que a matriculou na instituição.

“A meditação ajuda muito na concentração da minha filha”, diz Renata. “Ela consegue compreender que todos os processos que acontecem e os desafios na vida serão resolvidos primeiro  internamente, não bastando os recursos externos”.

Renata conta que quando a filha está chateada, ela lembra o que acontece na escola. “Falo para ela fechar os olhos, respirar, se acalmar. Eu tenho uma facilidade de falar isso para ela por conta do que é praticado na escola. Agora, imagine se pegarmos uma criança que não tem esse ensinamento e falarmos para ela se conectar com o mundo interior?  Ela não vai compreender nada”, compara a advogada.

Luana  Oliveira, 26, ex-aluna da escola, é professora da disciplina iniciação à consciência. Ela conta que antes de ser matriculada, aos 7 anos, poderia ser considerada como uma criança hiperativa.

“Eu não conseguia ficar sentada, fazer  atividades em um longo período de concentração. Logo quando cheguei aqui, após as práticas, isso foi a primeira coisa que modificou. Continuei sendo agitada, mas usava isso da forma adequada”, relata.

Emoções

De acordo com Niliane Brito,  formada em psicanálise e pós-graduanda em psicologia clínica, a meditação pode ajudar tanto crianças quanto adultos em casos de ansiedade, “trabalhando melhor as emoções que passam pelo corpo, equilibrando os sentimentos”.

Ele diz que, geralmente, usa técnicas de meditação  em pacientes ansiosos como forma de trabalharem a respiração e, assim, fazer a pessoa sentir o próprio corpo. “Já tive respostas bem felizes de quem usa essa técnica como forma de relaxar. De trabalhar até a própria agressividade, entre outras coisas”, frisa ela.

O primeiro e imediato efeito da meditação nas crianças, segundo Niliane, é acalmá-las. “Neste momento, elas podem focar em um único objeto e na respiração, sentindo as próprias emoções”, finaliza.

Fonte: A Tarde