Encontro defende educação mais ampla

Encontro defende educação mais ampla

Inaê Miranda

Evento contou com palestrantes nacionais e internacionais, reuniu 3 mil educadores e gestores municipais e estaduais, especialistas e pesquisadores em Educação no Brasil e na América Latina

Uma educação para além da alfabetização, que inclua o cidadão em todas as outras forma de aprendizado, foi o que defendeu como política educacional para jovens e adultos o irlandês Timothy Ireland, professor-associado da Universidade Federal da Paraíba e coordenador da Cátedra da Unesco em Educação de Jovens e Adultos, durante o encerramento do 8º Fórum Internacional de Educação da Região Metropolitana de Campinas, nesta terça-feira (27).

O evento, que teve início na segunda-feira e contou com palestrantes nacionais e internacionais, reuniu 3 mil educadores e gestores municipais e estaduais, especialistas e pesquisadores em Educação no Brasil e na América Latina, sob o eixo temático central “Políticas Públicas de Educação: Qualidade Social e Ensino”.

Ireland ressaltou que o Brasil ainda tem um número expressivo de analfabetos — cerca de 13 milhões — e destacou que as políticas educacionais não devem estar restritas a tirar essas pessoas da situação de analfabetas ou simplesmente oferecer um certificado, mas agregar as competências das outras esferas que a educação permite.

O evento foi trazido para Campinas pela Agência Metropolitana de Campinas (Agemcamp), Conselho de Desenvolvimento Metropolitano (CD-RMC) e Fundação Municipal para Educação Comunitária (Fumec), em atendimento à solicitação da Câmara Temática de Educação da RMC.

Antes realizado com recursos municipais, o Fórum foi promovido pela primeira vez com recursos financeiros do Fundo de Desenvolvimento Metropolitano.

A secretária de Educação de Campinas, Solange Villon Kohn Pelicer, que é também presidente da Fundação Municipal para Educação Comunitária (Fumec), destacou que o evento abordou a educação em todas as suas dimensões.

“Trouxemos nomes nacionais e internacionais, cada um dedicado a uma área: educação infantil, ensino fundamental, ensino profissional, EJA e no meio disso tudo tratando também da educação inclusiva e das políticas públicas da educação. Foi também uma parada para a reflexão”, afirmou.

Solange destacou que o evento trouxe temas que estão em pauta na área de educação, como a agenda 2030, resolução da Organização das Nações Unidas divulgada em setembro, e a universalização da educação.

“A educação infantil para 4 e 5 anos será universalizada no País em 2016. Passará a ser obrigatória.” Embora Campinas tenha um déficit de vagas na faixa etária até os 3 anos, Solange afirmou que o município se organizou para cumprir a norma e já atende 100% da faixa etária de 4 e 5 anos.

Além dos temas ligados à EJA, a diretora executiva da Fumec, Darcy da Silva, destacou a participação do astronauta Marcos Pontes no evento, que contou sua trajetória de estudo, disciplina e inúmeros esforços até concretizar seu sonho de se tornar o primeiro brasileiro a viajar ao espaço em missão pela Nasa.

“Mostra com sua trajetória de vida que, com o sonho planejado, é possível as pessoas alcançarem aquilo que quiserem”, conta.

“A palestra do Marcos Pontes fez um bem danado ( segunda-feira) e o complemento que os outros sete conferencistas trouxeram para debate fortaleceu, com certeza, essa capacitação que é objeto do Fórum”, acrescentou. A próxima edição do Fórum deve ser realizada em 2017 em outra cidade a ser definida.

Fonte: Correio Popular