Dilma diz que é preciso investir ainda mais em educação para a população de baixa renda

Dilma diz que é preciso investir ainda mais em educação para a população de baixa renda

Diego Felix

A presidente Dilma Rousseff participou, na tarde de hoje (11), de encontro organizado por militantes da União da Juventude Socialista (UJS) e da Juventude Petista, em São Paulo, no auditório da Universidade Nove de Julho. No encontro, que aproveitava a comemoração do Dia do Estudante, Dilma tratou basicamente da educação e dos investimentos do governo federal no ensino técnico e para a população de baixa renda.

O grande trunfo das quase 2 horas de evento foi tratar dos programas de incentivo ao estudo nas camadas mais carentes da sociedade. “Se a gente somar o ProUni, o Fies e o Reuni nós chegamos a mais de 3 milhões 256 mil alunos de ensino universitários que no meu governo foram acrescentados aos que já existiam. Isso dá um aumento de 41%, acompanhando nos aumentos em recursos. Em 2002 nós investíamos R$ 18 bilhões e hoje nós investimos R$ 112 bilhões. Será necessário muito mais se quisermos transformar a educação num dos mais importantes caminhos do desenvolvimento e do crescimento do Brasil”, disse a presidente.

Dilma alfinetou o programa de ensino do governo FHC ao dizer que no governo do tucano era proibido abrir campus de universidades federais e que o país tinha apenas 11 instituições. A critica se extendeu ao que a presidente chamou de “fundos abutres”, em defesa ao governo Kirchner, que sofre de uma grave crise financeira e que, segundo Dilma, não chega nem perto do que o Brasil sofreu em 2000 e 2001. “Nós vivamos uma crise inflacionária que era muito pior do que a situação da Argentina. O nosso governo ralou muito para sair dessa situação”, completou.

A presidente disse que seu governo está enfrentando uma campanha sistemática e factoide da oposição, onde estes tentam derrubar os feitos governamentais, como a Copa do Mundo e o pré-sal, falando que serão um fracasso e que após o sucesso desses programas os críticos não pedem desculpas. “A petrobras, que tentam difamar tanto, tem total capacidade de recolher o pré-sal . O Brasil demorou mais de 30 anos para produzir 500 mil barris de petróleo. Ninguém acreditava no pré-sal e hoje a Petrobras tem capacidade para se tornar uma das maiores empresas petrolíferas do mundo”, disse.

Alexandre Padilha, candidato ao governo de São Paulo, falou antes de Dilma e afirmou que se eleito vai proteger o professor da escola pública. “Nós vamos pegar tudo o que é benéfico do governo federal e trazer para São Paulo. Nós vamos levar escolas estaduais para todos os municípios que o PSDB levou presídio e Fundação Casa. Eu quero ser o governador de São Paulo”, disse Padilha.

Fonte: DCI