Com salário médio de R$ 1.868, pedagogia ainda é 3º curso mais procurado do Brasil

Com salário médio de R$ 1.868, pedagogia ainda é 3º curso mais procurado do Brasil

Os cursos de pedagogia continuam no topo da lista dos mais procurados do Brasil apesar da remuneração destinada aos profissionais desta carreira ser bem menor do que a média paga aos profissionais que optaram por outras áreas. A graduação em pedagogia é a terceira maior em número de matriculas no ensino superior brasileiro, com 614 mil estudantes, segundo o último Censo da Educação Superior divulgado ontem (9).

Profissionais da área da educação recebem em média R$ 1.868 no Brasil. Formados em administração recebem cerca de R$ 2.852 e direito R$ 2.686, segundo sondagem de mercado realizada pela Catho.

Reforçando estes números, a ONG Todos pela Educação informa que os profissionais da área da educação com ensino superior tem remuneração 52% menor do que outros com a mesma escolaridade.

Índice de formandos no ensino superior cai pela primeira vez em dez anos

Para Cleuza Repulho, presidente da Undime (União Nacional dos Dirigentes Municipais de Educação) o interesse pela pedagogia mostra esperança e, ao mesmo tempo, a necessidade de reconhecimento da carreira.

— Quem se formar na área vai achar vagas no mercado devido à necessidade da profissão. Mas o que precisamos ainda é trabalhar pelo reconhecimento de carreira para manter os formados nesse mercado.

A especialista lembra que o novo PNE (Plano Nacional da Educação) prevê a valorização do magistério público por meio da aproximação do rendimento médio dos professores com mais de 11 anos de escolaridade ao rendimento dos demais profissionais com escolaridade equivalente.

A presidente também destaca que o crescimento do interesse pela pedagogia pode ter relação com perspectivas de progresso na carreira.

— Geralmente professores que já estão em exercício na educação infantil optam por fazer curso superior para subir na profissão.

Ensino superior

O Censo da Educação Superior 2013 aponta que 73% dos docentes de universidades públicas e privadas possuem mestrado ou doutorado — em 2003 esse percentual era de 52%.

Além disso, segundo o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira), o regime de dedicação exclusiva é a forma de trabalho de 90% dos professores de universidades federais, enquanto na rede privada esse percentual é de 30%.

No topo da lista das 10 graduações com mais alunos no País está administração (800 mil matriculados), seguida por direito (769 mil), pedagogia, ciências contábeis (328 mil), engenharia civil (257 mil), enfermagem (228 mil), psicologia (179 mil), serviço social (173 mil), gestão de pessoal (172 mil) e engenharia de produção (144 mil). Juntos, esses cursos concentram mais da metade da rede de educação superior.

O Censo da Educação Superior é divulgado anualmente pelo Inep. Os dados são coletados a partir do preenchimento dos questionários por parte das IES (Instituições de Ensino Superior).

Ingressos em graduações tecnológicas de universidades públicas cresce 290% em dez anos

Fonte: R7