Campinas será referência em ação nacional

Campinas será referência em ação nacional

Rodrigo Pereira


Campinas foi selecionada pelo Unicef (Fundo das Nações Unidas para a Infância) para iniciar o processo de elaboração do Plano Decenal Municipal de Promoção, Proteção e Defesa dos Direitos da Criança e do Adolescente, que será referência para outras cidades do País. A oficina de preparação da equipe que realizará o trabalho ocorreu quarta-feira e anteontem.

Na ocasião, a coordenadora nacional do programa Crescer sem Violência do Unicef, Casimira Benge, explicou que Campinas foi escolhida pelo acúmulo de experiência que possui no processo de elaboração de planos de políticas públicas para a infância e pelo capital intelectual que existe no município. “Outro fator importante para a seleção de Campinas é a articulação que ocorre entre as diferentes secretarias, pois este vai ser um dos primeiros municípios a elaborar um plano decenal multissetorial de forma participativa”, falou.

De acordo com ela, a oficina preparatória realizada com o apoio do Unicef visa a planificação de todo o processo, identificando o compromisso de cada setor e as diferentes etapas para alinhar conceitos e metodologias que serão usadas ao longo do período de elaboração do Plano Decenal.

A oficina preparatória contou com a participação da presidente do CMDCA (Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente), Maria José Geremias, de representantes dos Conselhos Tutelares e das secretarias de Esporte, Cultura, Educação, Saúde e Assistência Social. Também compõem o grupo de trabalho membros da sociedade civil que atuam em diversos serviços que executam ações sociaoassistenciais em Campinas, Defensoria Pública, Ministério Público e Vara da Infância e Juventude.

A secretária de Cidadania, Assistência e Inclusão Social, Jane Valente, vê com entusiasmo a escolha de Campinas para receber esse trabalho do Unicef. “O convite para desenvolver o Plano Decenal junto com o Unicef é uma honra e só vem confirmar o compromisso que temos em relação à proteção à criança e ao adolescente”, ressaltou.

Desafio

Conforme a secretária, o grande desafio do plano é agregar as diferentes políticas públicas para garantir a proteção integral da criança e do adolescente. “A ideia é reunir o material que já existe, como os planos de convivência familiar e comunitária, de violência doméstica contra criança, de exploração sexual, para que possamos, a partir desse acúmulo de experiência e informações, elaborar um plano que abranja a proteção integral”, complementou.

Fonte: Portal Todo Dia