Berçário colabora para desenvolvimento motor das crianças

(Por Laura Gonçalves)

Um ambiente estruturado para garantir à criança um crescimento saudável. Assim é o novo berçário da Casa da Criança Meimei, entidade parceira da Fundação FEAC, que adequou seu espaço visando o desenvolvimento motor, cognitivo e a autonomia dos pequenos, por meio do brincar livre.

Na instituição, os 32 pequeninos do berçário aprendem os movimentos livremente. O desenvolvimento motor acontece de forma espontânea, com o rolar, rastejar, sentar, engatinhar, ficar em pé e andar. Lá, os móveis foram desenvolvidos especialmente para as crianças de até 1 ano e 8 meses.

A mudança ocorreu após a participação da instituição, localizada no Jardim Chapadão, Campinas/SP, no programa Primeira Infância em Foco, do Departamento de Educação da Fundação FEAC. “Após participarmos de uma formação com a especialista em Educação Infantil, Leila Oliveira Costa, percebemos que precisávamos adequar nosso berçário. Nossa inspiração foi a abordagem desenvolvida pela pediatra austríaca Emmi Pikler, que destaca a importância de se respeitar cada criança, a fim de que ela se desenvolva em um ambiente amoroso, respeitoso e seguro”, explicou a diretora educacional da Meimei, Gibiane Aline Ferreira.

No berçário, as crianças passam por todas as etapas da motricidade por sua própria conta e em seus próprios tempos. Desta forma, os pequenos aprendem a engatinhar, sentar e andar sem a ajuda específica de um adulto. “A mobília que utilizamos colabora para o desenvolvimento, posição e descolamento dos pequeninos, sem que os cuidadores e professores precisem ensiná-los a sentar, engatinhar ou mesmo andar. Não é bom adiantar nenhuma fase, nem colocar a criança em uma posição que não tenha sido conquistada por ela mesma”, apontou a orientadora pedagógica Jeanne de Camargo Rodrigues.

Um dos aspectos fundamentais na Abordagem Pikleriana é o brincar livre. O espaço organizado com móveis adequados, que possibilita as interações, faz com que as crianças não só se relacionem entre si, mas também com os objetos lúdicos, pesquisando por elas mesmas as maneiras possíveis de movimentação no espaço.

Espaço e motricidade

Com o desenvolvimento da musculatura, a criança vai adquirindo o controle de seu próprio corpo e os gestos vão ganhando mais direção. “Os pequenos se desenvolvem pela motricidade, por isso é importante adequar o espaço, dar amplitude e deixá-los livres. Eles começam a explorar o mundo guiados pelo instinto natural de curiosidade e interesse”, garantiu Jeanne.

Na creche, os móveis têm o tamanho das crianças. As prateleiras também ficam na altura delas para que possam buscar seus brinquedos e devolvê-los quando não mais os quiserem. “As rotinas, a partilha do espaço e dos brinquedos, a possibilidade de avaliar e tomar decisões ajudam a criança a crescer de forma estruturada, divertida e confiante”, informou a orientadora.

De acordo com Gibiane, o desenvolvimento da motricidade é essencial para a interação da criança com o meio. “Isso ocorre quando ela se relaciona com objetos e usa ferramentas, como por exemplo os espelhos que foram colocados nas salas, que faz com que ela se perceba e também perceba seu colega”, garantiu.

Mobílias

Na creche não existe mais berço. Os pequeninos dormem nas caminhas/colchões dispostos no berçário de forma agradável e convidativa à hora do sono. Até mesmo o piso é adequado para garantir aderência e a sala é espaçosa.

O ambiente organizado com mobiliários específicos contribui para que a criança amplie sua capacidade de locomoção, ou seja, a habilidade de se mover de um lugar para o outro. “Pensando que os móveis são da altura das mãos e do olhar da criança, ela tem seus movimentos livres para explorar seu corpo e seus limites, além de se relacionarem entre si”, explica a assessora do programa Primeira Infância em Foco, Denilze Ricciardelli.

Além disso, há outros mobiliários que auxiliam o desenvolvimento motor dos pequenos. “Temos um mobiliário chamado de labirinto (uma espécie de túnel de madeira) que incentiva a criança a engatinhar e observar o espaço, a partir de diferentes perspectivas. Também a escaleira baixa (uma grande rampa) que colabora para a percepção do espaço”, explicou Jeanne.

O berçário também conta com a escaleira montessoriana, que é uma espécie de escada com rampa, na qual os pequenos aprendem a subir os degraus por um lado e a escorregar pelo outro. “Este é o móvel que as crianças mais gostam. Essa sensação de escorregar também desenvolve a parte motora delas”, garantiu a orientadora.

No refeitório, os móveis também foram produzidos e adequados especialmente para os pequeninos.  “É importante que eles se sintam confortáveis, e com os pés no chão se sentem equilibrados e seguros”, acrescentou Gibiane.

As mobílias também ajudam as crianças a testarem vários pontos de equilíbrio do corpo. “O túnel, por exemplo, faz com que compreendam melhor o equilíbrio. Aprendem a subir, descer, usar o corpo com inteligência, garantindo desenvolvimento motor pleno”, ressaltou a especialista em Educação Infantil, Leila Oliveira Costa.

Saiba mais: www.meimei.org.br

Fonte: Fundação FEAC