Sala de aula se transforma em supermercado para aprender física

Professor criou anúncios de produtos com unidades de medida fora do convencional e pediu para a turma encontrar os melhores preços

por Sandro Soares Fernandes

Como professor de física, percebi que os alunos apresentavam muitos problemas na hora de trabalhar com unidades de medida. Quando eles chegavam ao primeiro ano do ensino médio, tinham dificuldade para comparar grandezas e entender como isso era aplicado no seu cotidiano. A partir daí, pensei em criar uma atividade que relacionasse o tema ao dia a dia deles.

Tive a ideia de aproveitar uma atividade comum na rotina de qualquer cidadão: a ida ao supermercado. Apresentei uma proposta em que alunos deveriam comparar preços e produtos de diferentes supermercados, escolhendo a melhor oferta. No entanto, para chegar a essa conclusão seria preciso trabalhar com diferentes unidades de medida.

Para fazer essa atividade, montei o folder de um supermercado fictício, chamado Pare & Compare. Coloquei o anúncio de produtos que usavam unidades bem diferentes, como a lâmpada que era vendida por horas de uso, o pão de forma por fatias e as sandálias por anos de caminhada. Valeria a pena comprar 500 metros de macarrão ou um pacote de 500 gramas? Para chegar até essa resposta, o aluno teria que fazer uma série de estimativas.

Com o folder fictício e os anúncios de um supermercado real, os alunos tiveram que explorar massa, comprimento, área, volume, tempo, densidade, pressão, entre outras. Em cada produto, eles precisavam comparar preços, buscar grandezas relevantes e pensar nas suas relações para encontrar o melhor preço.

Podemos citar algumas das estratégias adotadas pelos grupos em diferentes produtos do Pare & Compare. No caso do macarrão espaguete, os grupos poderiam estimar o comprimento de cada espaguete e a quantidade de espaguetes em um pacote de 500 gramas. Outro encaminhamento bastante usado pelos alunos foi o de estimar a massa e o tamanho de cada espaguete, de modo a identificar o número de espaguetes por pacote e o comprimento total deles alinhados.

Destacamos também o produto feijão, que no Pare & Compare era vendido em garrafas PET de 600 ml. Neste caso, também foram usadas diferentes soluções, como estimar as dimensões de um pacote cheio e achar o seu volume para comparar com o preço do Pare & Compare. Já outros grupos, buscaram descobrir qual seria a densidade do feijão, pois assim seria possível identificar a massa contida na garrafa.

Em uma atividade como essa, adotamos um modelo em que o aluno deve ser privilegiado e valorizado no processo de ensino. Nesse tipo de atividade investigativa, o professor também passa de avaliador para avaliado, pois é continuamente forçado a pensar, montar estratégias de aulas e fazer a pergunta certa na hora certa. Ele também deve estar sempre pronto para situações problemas, que não havia ainda passado. É desafiador, contudo o retorno poderá ser mais confortante e efetivo para a aprendizagem do aluno.

Quando você leva a física para o dia a dia do aluno, você consegue trazer ele para o seu mundo e torna a disciplina mais fácil. Trabalhar medidas assim é bem diferente de colocar uma tabela no quadro. O aluno começa a ficar mais atento e entende o valor que a unidade de medida tem em uma grandeza.

Veja o modelo de folder usado pelo professor:

Diario-de-Inovacoes

Fonte: Porvir