Oficinas do Atitude Educação despertam potencialidades e incentivam alunos protagonistas

Oficinas do Atitude Educação despertam potencialidades e incentivam alunos protagonistas

Por Ingrid Vogl

Conscientizar e incentivar crianças e adolescentes a serem protagonistas em suas escolas e vidas. Este é o principal objetivo das oficinas que estão sendo promovidas pela equipe da Fundação FEAC com as escolas vencedoras do Prêmio Atitude Educação 2016. As escolas EE Prof. Djalma Octaviano, EE Profª Laís Bertoni e Emef Oziel Alves Pereira foram as vencedoras da premiação que teve como tema “Alunos Protagonistas. Que diferença vocês fazem? ”.

Ao todo, serão realizados 11 encontros com os alunos envolvidos nos projetos vencedores, onde serão trabalhadas as potencialidades das crianças e adolescentes, como autonomia, discernimento e responsabilidade pessoal.

Alguns encontros ocorrerão individualmente com cada escola vencedora, outros serão coletivos e ainda contarão com a participação de alunos protagonistas do nosso município.

Os encontros são fundamentados nos quatro pilares da educação preconizados pela Unesco: aprender a ser; aprender a conviver; aprender a aprender; aprender a fazer e compartilhar aprendizagens. A ideia é que ao fim das oficinas, que deve acontecer em novembro, os alunos possam redescobrir novas formas de um agir protagonista.

Segundo Cláudio Raizaro, assessor técnico do Departamento de Assistência Social da Fundação FEAC, os encontros pretendem despertar em cada um dos participantes a consciência de que eles são sujeitos de direitos humanos, civis, político e educacionais, possibilitando que façam a necessária passagem da heteronomia da infância para a autonomia que se inicia com adolescência e que deve se estender pela vida adulta.

Outro foco da proposta é despertar a implantação de novos espaços e situações nas escolas que sejam inovadores e transformadores, onde os alunos efetivamente sintam-se preparados para discutirem e criarem possibilidades protagonistas, tanto no seu aspecto pessoal e familiar, mas também se abrindo para ideais maiores, na perspectiva social e comunitária, seja na escola, no bairro ou município.

“Se partimos do pressuposto de que nós não nascemos prontos, mas que vamos sendo formados ao longo da vida, justifica-se a importância e a necessidade das diversas aprendizagens, agrupadas nos quatro pilares da educação da Unesco que serão promovidas nesses Encontros, oferecendo a oportunidade de refletir e desenvolver as competências e habilidades necessárias para contribuir com a formação integral dos alunos”, afirmou Cláudio.

Raika Aquino, assistente técnica do Departamento de Educação da FEAC, ressaltou a necessidade de que os alunos aprendam a trabalhar as habilidades que eles já possuem dentro dos projetos vencedores. “Um dos objetivos das oficinas é qualificar e utilizar os espaços que serão criados, a partir dos investimentos que serão feitos. Não apenas executar a ação, mas ir muito além e potencializar os resultados dos projetos. Assim, os alunos se tornam protagonistas desses espaços e promovem uma mudança na escola. Queremos que eles se enxerguem como disseminadores de autoconhecimento, autoconfiança, que eles sejam capazes de ultrapassar os obstáculos que têm dentro das escolas e que vejam sempre as oportunidades. Assim, os alunos serão agentes de mudanças”, explicou.

Despertar

O primeiro encontro do Atitude Educação aconteceu na manhã de sexta-feira, dia 4 de agosto, no Casarão da FEAC. Com diversas dinâmicas e conduzido por Raika e Cláudio, cerca de 47 alunos dos anos finais (6º ao 9º ano do ensino fundamental) da Escola Municipal de Ensino Fundamental (Emef) Oziel Alves Pereira participaram da oficina. Os alunos das outras escolas vencedoras – Laís Bertoni e Djalma Octaviano-  também participarão de encontros a serem realizados até o fim do ano.

No início, o grupo estava tímido, mas conforme as dinâmicas foram sendo desenvolvidas, os alunos descobriram um mundo de potencialidades que não eram percebidas até então. A partir disso, começaram a se enxergar como agentes de mudança. “No encontro, eles discutiram problemas existentes na escola, apontaram possíveis soluções ou melhorias dentro da realidade que possuem. Foi muito gratificante perceber o despertar da consciência de fazer o melhor”, observou Raika.

Para os alunos, foi mesmo um momento de despertar para potencialidades que eles nunca tinham parado para pensar que possuíam. “Não tinha consciência de que quem pode mudar as coisas sou eu mesma. Agora, eu percebi que tudo depende de nós mesmos e só basta querer fazer. Na escola a gente já faz muita coisa, já somos protagonistas com nossas ações para melhorar o lugar onde estudamos”, afirmou Maria Eduarda Paica dos Santos, 13 anos.

Maria Wiliane da Silva, também 13 anos, chegou tímida para participar da oficina e logo estava participando ativamente das dinâmicas. “ Eu nem imaginava que muitas coisas podem depender somente de mim. Concordo que sou eu que tenho que fazer algo para mudar a minha vida e me realizar, e a educação é um caminho para isso porque sem ela, a gente não chega a lugar nenhum. Por isso é tão importante a gente fazer várias coisas pela nossa escola”, concluiu.

Já João Henrique dos Santos de Jesus, 11 anos, saiu inspirado do encontro para fazer acontecer em sua escola. “A vida de uma pessoa é cheia de obstáculos, e para passar por eles a gente tem que ter educação e respeito, assim conseguimos alcançar o que queremos, porque só depende da nossa vontade”, disse.

Acompanhando a turma de alunos, Adriana Maria Sertori, professora de ciências, elogiou a iniciativa da FEAC no sentido de valorizar e incentivar a autoestima dos alunos para que eles sejam agentes de transformação dentro da escola. “Sempre acreditei na educação e na transformação. Hoje, as crianças já se apropriam de toda a escola, com uma apropriação que vai muito além das salas de aula. Eles já são protagonistas, mas eles podem ser muito melhores, e quem vai fazer o caminho deles são os próprios. Aqui, eles tomam a consciência disso, o que influencia no ensino, aprendizado e também na formação de cidadãos críticos”, disse.

Professora há 14 anos na Emef, Adriana fala com carinho de seus alunos e das transformações que eles protagonizam dentro da escola. “Quando conseguimos agregar essas crianças com respeito mútuo e cuidado, estamos fazendo educação, e isso muda as pessoas. Eles se apropriam da sala de aula, das matérias, da vida na escola. E assim, começam a sonhar e a projetar o futuro”, disse a inspiradora professora.

Atitude Educação

Criado em 2014, o Prêmio Atitude Educação visa valorizar as ações que tem como objetivo qualificar ainda mais a educação pública em Campinas/SP. A edição 2016 da premiação teve como objetivo reconhecer coletivos de alunos que desenvolvem ou irão desenvolver projetos que contribuam para a solução de situações/problemas reais de sua escola ou comunidade, ou ainda, que colaborem na aprendizagem dos alunos visando a melhoria da qualidade da educação pública na cidade.

A iniciativa da Fundação FEAC, por meio do Compromisso Campinas pela Educação (CCE), foi realizada em parceria com as Diretorias Regionais de Ensino Leste e Oeste de Campinas, além da Secretaria Municipal de Educação. O concurso foi voltado para estudantes do ensino fundamental, médio e Educação de Jovens e Adultos (EJA) das redes públicas municipal e estadual de Campinas.

Cada unidade escolar, representante do projeto vencedor por categoria, recebeu R$ 10 mil a serem investidos no desenvolvimento da iniciativa.

Confira os projetos finalistas e vencedores do Prêmio em 2016:  http://atitudeeducacao.feac.org.br/

Fonte: Fundação FEAC