FEAC na Escola contribui com novo olhar pedagógico dentro das unidades escolares

FEAC na Escola contribui com novo olhar pedagógico dentro das unidades escolares

A 2ª edição do projeto FEAC na Escola foi encerrada na tarde desta segunda-feira, dia 19 de dezembro, com uma confraternização entre representantes das oito escolas participantes e equipe de assessoramento técnico do projeto.

O FEAC na Escola tem como meta contribuir para o aprimoramento do desempenho escolar dos alunos de escolas públicas estaduais de Campinas. Ao longo dos últimos dois anos, as equipes gestoras das Escolas Estaduais Prof. Celestino de Campos, Prof. Francisco Ribeiro Sampaio, Profa. Lais Bertoni Pereira, Prof. Rosentina Faria Syllos, Ruy Rodriguez, Artur Segurado, Barão Ataliba Nogueira e Prof. Aníbal de Freitas receberam acompanhamento pedagógico das assessoras técnicas do projeto. O assessoramento é realizado a partir do Plano de Suporte Estratégico (PSE) de cada escola parceira, baseado em três eixos: Ensino e Aprendizagem, Gestão de Pessoas e Processos e Relação com a Comunidade.

Nesta 2ª edição do FEAC na Escola, a grande novidade foram os encontros de formação oferecidos às equipes gestoras das escolas participantes, que trataram de assuntos relacionados com os eixos já citados e tinham como temas Avaliação, Comunicação Construtiva, entre outros. No segundo semestre de 2016, essas formações chegaram até os professores das escolas.
Cada unidade participante do FEAC na Escola recebeu recursos financeiros no valor de R$ 96 mil, depositados diretamente na conta da Associação de Pais e Mestres (APM). O valor é destinado à aquisição de bens materiais, didáticos, entre outros, de acordo com a necessidade da escola.

Novo olhar

Entre diretores, vice-diretores, professores coordenadores e professores mediadores presentes na confraternização, a opinião de que os profissionais das escolas passaram a ter um novo olhar para os processos pedagógicos de cada unidade está presente.

“Uma coisa é a EE Laís Bertoni antes do FEAC na Escola e outra é depois do Projeto. A equipe profissional da escola precisa dessas capacitações e desse acompanhamento pedagógico que o Estado deveria nos proporcionar e não proporciona adequadamente, e que a assessoria do Projeto soube fazer com maestria e bastante tranquilidade. Assim pudemos abraçar as ideias propostas pela assessora técnica, as formações oferecidas ao longo desses dois anos, e conseguimos alcançar nossos objetivos de ser uma escola mais humana, em que as habilidades e competências foram trabalhadas melhor com os alunos. É claro que a ajuda financeira do Projeto foi importante também, mas o aspecto pedagógico foi muito mais importante”, avaliou Maria José Jesus de Lima, diretora da escola, que espera continuar participando das formações que devem fazer parte da próxima edição do Projeto.

Cláudia Valéria da Silva Belo, professora coordenadora do ensino médio da EE Ruy Rodriguez, também chamou a atenção para a atuação da assessoria técnica do Projeto na FEAC. “Esses dois anos do FEAC na Escola trouxeram muitos ganhos para a escola, não pela questão da estrutura física e dinheiro, mas a FEAC veio somar na questão pedagógica, por meio das formações, o que nos ajudou muito a melhorarmos nosso trabalho, nosso desempenho. As intervenções feitas pela assessora técnica durante as reuniões de trabalho nos faziam pensar sobre o ensino e aprendizagem. Nosso foco e grande desafio na escola era a questão da convivência, e o legado que a FEAC vai deixar é a continuidade do trabalho que estamos fazendo com professores e alunos com diálogo e sobre o tema, e que estará em nosso plano de ação de 2017. A FEAC trouxe luz àquilo que estava faltando na escola”, concluiu Cláudia.

Equipe

Durante o evento, Cláudia Chebabi, gerente do Departamento de Educação da Fundação FEAC, lembrou o grande objetivo do Projeto, que é a reflexão de como o processo de ensino e aprendizagem está chegando para o aluno. “Nosso compromisso é com o aluno e, para isso, vamos continuar a investir em formações que contribuam para fomentar os debates e reflexões pedagógicas nas escolas”, afirmou.

Com um papel de provocar discussões e reflexões sobre os processos pedagógicos desenvolvidos nas escolas, a equipe de assessoria técnica da FEAC na Escola fez toda a diferença no dia a dia pedagógico das unidades.

Formada por Alessandra Fiorini, Arisleia Gasparino, Maristela Weffort e Rafaela Gabani, a equipe esteve presente nas escolas com um olhar técnico que fez toda a diferença para as equipes gestoras. “Ter alguém de fora que pense junto e troque ideias foi um grande aprendizado. As escolas aceitaram muito bem nossa chegada e fomos acolhidas. Os profissionais abraçaram o Projeto e tiveram um ganho muito grande”, disse Alessandra, que cita a organização dos projetos pedagógicos como uma das principais contribuições do Projeto com as escolas.

Maristela lembrou do interesse dos professores a voltarem a estudar, que foi provocado a partir das formações oferecidas pelo FEAC na Escola. “Os professores foram buscar formação na própria rede estadual e em universidades, pois se sentiram desafiados e foram se aprimorar. E isso acaba já impactando no aprendizado dos alunos”, afirmou.
A assessora Arisleia frisou o investimento intenso do Projeto em formações, que impactaram no cotidiano das escolas. “O trabalho de formação e reflexão foi muito intenso com a discussão de como o material pedagógico é desdobrado dentro da sala de aula”.

A utilização dos recursos financeiros destinados às escolas por meio do Projeto esteve diretamente ligada aos ganhos pedagógicos para a escola. “O dinheiro e a assessoria técnica estiveram vinculados, porque o que foi adquirido com essas verbas foi proveniente das reuniões em que conseguimos refletir com a equipe sobre as necessidades da escola, sempre com objetivo pedagógico, para que o benefício chegue aos alunos e professores, porque tudo gira em torno dessa relação e tudo que se quer é que isso contribuía para o aprendizado do aluno”, concluiu.