Creches valorizam a participação dos pais nas brincadeiras da primeiríssima infância

por Laura Sucena
Com o tema “O Brincar que Encanta o Tempo”, a Semana Mundial do Brincar teve início com atividades destinadas às crianças de zero a 3 anos. Para abrir as atividades, o SPES-Serviço Social da Paróquia São Paulo Apóstolo promoveu a atividade ‘Brincando com o mingau: exploração de temperaturas e texturas’. Já o Centro de Formação Semente da Vida realizou uma massagem entre pais e filhos; e a Creche Menino Jesus de Praga trabalhou com a atividade ‘salada de frutas’. As três instituições são parceiras da Fundação FEAC.

No SPES, as famílias foram convidadas a interagirem com as crianças. “Foi um momento de resgatar o tempo dos pais com seus filhos, de mostrar que o brincar é pedagógico e que traz o desenvolvimento de modo integral. Além disso, a ideia de brincar com o mingau leva à exploração das texturas e da temperatura, os pequeninos adoram e isso se torna um momento de prazer”, explicou a orientadora educacional do SPES, Michelly Salomão.

Josefa Maria da Silva, mãe do pequeno Gustavo, de 9 meses, aprovou a atividade. “Eu tenho certeza que esses momentos são únicos. Participo das reuniões, estou sempre na creche e dou valor ao tempo que passo com meu filho porque acredito que isso reflete no seu desenvolvimento”, falou. Julio Ferreira Paim, avó do pequeno João Pedro, também gostou de passar um tempo a mais com seu neto. “Achei o dia maravilhoso. É muito importante deixar a criança brincar à vontade, descobrir coisas novas. É bom ver que tem gente que cuida dele com tanto carinho e atenção”, ressaltou.

 Já na creche Menino Jesus de Praga, os pequeninos e seus familiares puderam explorar as texturas e sabores de frutas variadas. A atividade começou com as frutas in natura que, posteriormente, viraram uma salada de fruta. “Primeiro eles puderam sentir como a fruta realmente é para só depois descascar e provar. Foi uma brincadeira para aguçar todos os sentidos, pois eles tocaram, sentiram e experimentaram. Também quisemos trazer frutas que não são comuns no dia a dia, como a jaca. É interessante para os pequeninos conheceram novidades”, destacou a coordenadora pedagógica, Christiane Carvalho.

As atividades visaram o estímulo aos sentidos que ajuda no desenvolvimento cognitivo das crianças. Com isso, foi possível estimular o tato, a visão, o olfato e também o sistema oral e gustativo, uma vez que os pequenos puderam experimentar o mingau e as frutas. “Com o olhar diferenciado para os materiais do dia a dia, é possível criar brincadeiras interessantes e estimulantes para os sentidos dos pequenos”, enfatizou Michelly.

Massagem

 A Shantala  foi uma das atividades desenvolvidas na sala do berçário da Semente da Vida. Lá, a técnica de massagem foi utilizada para aproximar ainda mais o adulto da criança.

De forma agradável e tranquila, as educadoras demonstraram as formas de massagear para que os adultos pudessem aplicá-las nos pequeninos. Além de aumentar o vínculo afetivo com a criança, a massagem ainda atua no relaxamento, acalmando e eliminando tensões, aliviando cólicas e equilibrando o sistema nervoso emocional.

De acordo com a assessora técnica do programa Primeira Infância em Foco, do Departamento de Educação da Fundação FEAC, Adriana Nunes Silva, compartilhar com as famílias uma técnica tão simples, mas milenar, que traz tantos benefícios ao desenvolvimento infantil e que pode e deve ser realizada nos ambientes familiares, faz parte da proposta de socialização de conhecimentos na Semana do Brincar. “É importante que a família saiba que a massagem recebida faz com que os pequenos tenham mais consciência do seu próprio corpo e que os estímulos recebidos por meio do toque produzem endorfina, um neuro-hormônio que ao ser liberado estimula a sensação de bem-estar, conforto e alegria aos pequenos”, garantiu.

A atividade encantou os pais. Charles do Nascimento Santana, pai da pequena Isabela, de 10 meses, falou sobre a experiência. “Em casa não temos tempo de fazer essas coisas. Percebi que minha filha ficou mais calma, que gostou da massagem. Se puder, quero repetir isso em casa”, disse.

Para a professora Selma Maria Menezes, a massagem, além de ser muito importante para estreitar o vínculo entre pais e filhos, ainda deixa a criança mais tranquila. “Quando os pequenos têm esse contato físico de amor com os pais, tendem a se tornarem mais receptivo ao toque em geral e a ter mais facilidade para se relacionar”, explicou.

Os toques, que abrangem todo o corpo do bebê, trabalham todas as regiões do corpo: peito, barriga, costas, pernas, braços e rosto. Além da tranquilidade, as crianças ficam mais relaxadas e isso também contribui para o alívio das cólicas e garante um sono tranquilo. A massagem ainda é benéfica para o desenvolvimento da musculatura e o aprendizado de abrir e fechar, pegar e soltar.

Para a também assessora do PIF, Denilze Ricciardelli, a brincadeira e a exploração devem fazer parte do dia a dia dos pequeninos. “Desde que nascem, os pequenos podem ser estimulados por meio de brincadeiras. Elas são fundamentais para que as crianças encontrem respostas e reações ao que estão fazendo. À medida que crescem, interagem com diversos objetos e com seus pares, começam a se tornar independentes, desenvolvem capacidades importantes como atenção, memória e imaginação. Brincadeiras como ‘esconde e acha’, por exemplo, estimulam a curiosidade, autoconfiança, coordenação motora e corporal, equilíbrio e também proporcionam o desenvolvimento da linguagem e do pensamento”, explicou.

“O brincar é essencial para o crescimento e desenvolvimento infantil de qualidade, deve ser reconhecido como o uso importante do tempo da criança e não como algo secundário. É preciso que todos entendam que o brincar faz parte do currículo da primeira infância”, completou Denilze.

Durante a Semana Mundial do Brincar, que acontece em Campinas até este sábado, dia 27, diversas instituições parceiras da Fundação FEAC e apoiadas pelo Programa Primeira Infância em Foco (PIF) do Departamento de Educação, irão promover atividades em várias regiões do município. Em geral, são brincadeiras em espaço aberto, com música, arte, teatro, dança, leitura, contação de histórias, manifestações culturais tradicionais e outras ações livres que remetem ao lúdico. A ideia é que as crianças e suas famílias, atendidas ou não pelas entidades promotoras, se envolvam e se divirtam durante o tempo das brincadeiras.

A programação pode ser conferida AQUI

Fonte: Fundação FEAC

­